Congresso
Vocę Participaria de um Congresso Bíblico?
Sim
Năo
Ver Resultados

Partilhe esta Página



Total de visitas: 38135
Alguns Lares Năo-Judeus
Alguns Lares Năo-Judeus

“AOS PAIS DE MEUS NETOS”

Cartas de um avô aos pais de seus netos - G. c. Willis

Alguns Lares Não-Judeus:

 

Cornélio

Nós já consideramos várias famílias da Bíblia, e agora queremos convidá-los a contemplar alguns lares no Novo Testamento formados por gentios. A primeira casa com que nos deparamos, segundo o meu conhecimento, é a de Cornélio. Ele era “temente a Deus com toda a sua casa” (At 10:2). Ele fez muito bem em zelar para que toda a sua casa seguisse o seu exemplo no temor a Deus, e Deus tomou nota disso. Quando Pedro relata aos santos em Jerusalém como foi sua visita a Cornélio, ele menciona que o anjo ordena que Cornélio enviasse a Jope mandando chamar Pedro: “ o qual te dirá palavras mediante as quais serás salvo, tu e toda a tua casa” (At 11:14). São quase as mesmas palavras que iremos encontrar ao considerar ainda aquela outra “casa” (lembram?); podemos dizer que essa promessa relativa à casa, ao lar, é uma mensagem especial do Espírito Santo àqueles que realmente sejam ser salvos. Não é necessário que nos demoremos imaginando quem mais fazia parte da casa de Cornélio, mas notemos que a Palavra continua tendo o mesmo valor como nos tempos mais antigos “tu e toda a tua casa” (Gn 7:1).

 

Lídia

A casa seguinte com que nos deparamos é a casa de Lídia, “da cidade de Tiatira, vendedora de púrpura,... o senhor lhe abriu o coração para atender às cousas que Paulo dizia. Depois de ser batizada, ela é toda a sua casa, nos rogou dizendo: Se julgais que eu sou fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ai ficai” (At 16:14-15). O senhor abriu de coração da Lídia, e ela abriu a casa dela...

É um ponto sempre sublinhado na Escritura que, quando um indivíduo tem fé e, também, quando cumpre com sua responsabilidade de líder do lar, isso produz muitas bençãos ao seu redor. Nós notamos isso em Raabe e também poderíamos ter falado a respeito quando tratamos de outras famílias.

Antes dos dias de Noé, o princípio que Deus considerava ao lidar e orientar os homens era que seus relacionamentos e responsabilidades eram de cunho individual; assim foi com Abel, Enoque e outros. Mas a partir de Noé Deus passou a lidar com os homens segundo um outro princípio, confiando ao homem o seu próprio governo pelo qual passou a ser responsável. Foi quando Deus ordenou: "Se alguém derramar o sangue do homem, pelo homem se derramará o seu" (Gn 9:6). Isso era algo novo na ordem de Deus; e, com a introdução do governo, Deus estava também sublinhando a relação familiar e a responsabilidade que esta implica para o cabeça da família. "Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque reconheço que tens sido justo diante de mim no meio desta geração" (Gn 7:1). Note que a justiça ou a fé dos outros membros da família não é mencionada; porém toda a casa entrou na arca graças à justiça e fé de seu cabeça. Desse modo até mesmo um Cão, que mais tarde provou ser um maligno, foi introduzido numa esfera de extrema bênção tendo por base a justiça e a fé de seu pai. "Pela fé Noé... aparelhou uma arca para a salvação de sua casa, pela qual... se tornou herdeiro da justiça que vem da fé" (Hb 11:7).

No Velho Testamento temos ainda muitos outros exemplos que refletem este princípio. Todos os homens da casa de Abraão foram circuncidados por base na fé dele (Gn 17:27). Em Gênesis 18:19 vemos Abraão e sua casa associados mais outra vez. Toda a casa de Potifar, o egípcio, foi abençoada por amor de José; e José era seu escravo (Gn 39:5).

Também encontramos o mesmo princípio quando Faraó quis reter as crianças no Egito. A bela resposta de Moisés foi a seguinte: "Havemos de ir com os nossos jovens, e com os nossos velhos, com os filhos e com as filhas, com os nossos rebanhos e com os nossos gados havemos de ir ... nem uma unha ficará" (Êx 10:9,26). Essas palavras ilustram bem este grande princípio de Deus, que ao cabeça da casa está associada a casa e tudo o que é ligado a ela.

Vemos o mesmo repetido na páscoa: Aos dez deste mês cada um tomará para si um cordeiro, segundo a casa dos pais, um cor­deiro para cada família" (Êx 12:3).

O novilho que Arão deveria apresentar como oferta pelo pecado era "por si e pela sua casa" (Lv 16:6, 11).

Quando da rebelião de Coré, Datã e Abirão, as famílias de Datã e Abirão e todos os que lhes pertenciam foram tragados pela terra que se fendeu, e estas famílias compreendiam até mesmo crianças pequenas (Nm 16:27,32-33; Dt 11:6).

O servo hebreu não queria sair livre porque "te ama a ti e a tua casa" (Dt 15: 16).

"Tu e a tua casa" deviam comer do primogênito do gado e das ovelhas (Dt 15:20).

Em Josué 2:12,18; 6:23-25 encontramos Raabe, uma mulher dentre os gentios. Ela e toda a sua família, o parentesco mais abrangente possível, foram salvos graças à sua fé.

Veja em Juízes 1 :25; ali vemos mais um gentio que por um gesto de fé assegurou bênção e segurança para "toda a sua família".

Obede-Edom, o geteu, foi ainda outro dentre os gentios com o qual Deus lidou segundo o mesmo princípio: "e o SENHOR o abençoou e a toda a sua casa" (2 Sm 6:11-12).

Itai, também um geteu dentre os gentios, era outro que entendia esta ordem de Deus: "Então disse Davi a Itai: Vai, e passa adiante. Assim passou Itai, o geteu, e todos os seus homens, e todas as crianças que estavam com ele" (2 Sm 15:22). Eles foram com o seu pai para compartilhar da rejeição do rei deles.

Quando Israel estava passando por grande aflição, nos dias de Josafá, "todo o Judá estava em pé diante do SENHOR, como também as suas crianças, as suas mulheres, e os seus filhos" (2 Cr 20:13).

Nos dias de Neemias ofereceram "grandes sacrifícios, e se alegraram; pois Deus os alegrara com grande alegria; também as mulheres e os meninos se alegraram" (Nm 12:43).

Poderíamos prosseguir, mas receio que já deixei vocês cansados. No entanto, espero que esses exemplos deixaram claro que o grande princípio de Deus, já desde os dias de Noé, tem sido este: "Tu e tua casa".

As casas de Cornélio e de Lídia dão continuidade a esta notável linha de famílias que já são encontradas em todo o Velho Testamento. Quem é versado no Velho Testamento deveria estar familiarizado com o termo" casa" , e deveria entender quão abrangente é o seu alcance. O que o Espírito de Deus quer dizer ao aplicar esse termo pode ser deduzido pela maneira com que o empregou nas Antigas Escrituras; e já pudemos ver que o seu significado é exatamente o que a palavra compreende: tudo o que há na casa. Pode abranger as criancinhas., os filhos jovens e até mesmo os servos. E Deus não repreendeu a Raabe por ter estendido o significado dessa palavra a seus pais e irmãos e irmãs junto com toda a sua parentela...

 

O carcereiro de Filipos

Depois de Lídia, temos ainda no mesmo capítulo (versos 23 a 34) a casa do carcereiro de Filipos. Note a pergunta deste carcereiro e a resposta que obteve: "Que devo fazer para que seja salvo? .. Crê no Senhor Jesus, e serás salvo, tu e tua casa". Leitor, isso também vale para nós. Apreenda isto, creia nisto, alegra-te por isto, e agradeça a Deus por Sua graça: ter-nos dado tal promessa para a nossa casa. Trata-se quase das mesmas palavras que o anjo dirigiu a Cornélio (At 11:14); mas, por favor, note também que não diz: "Crê em Jesus, e serás salvo, tu e tua casa". É certo que todo o que verdadeiramente crê em Jesus será salvo; mas a promessa "e tua casa" é para aquele que crê no Senhor Jesus Cristo. Isso implica que nos curvemos ante Ele por ser o Senhor, que reconhe­çamos em tudo a Sua autoridade, que com Sua graça busquemos guardar Sua Palavra e que Lhe demos o primeiro lugar em todos os detalhes de nossa vida.

Paulo e Silas então lhe pregaram a Palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua casa; e o relato continua assim:

"E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi batizado, ele e todos os seus. E, levando-os a sua casa, lhes pôs a mesa; e, na sua crença em Deus, alegrou-se com toda a sua casa" (At 16:33-34).

Seguindo adiante a casa de Crispo, o principal da sinagoga, que "creu no Senhor, com toda a sua casa" (At 18:8).

Em 1 Coríntios 1: 16 lemos da casa de Estéfanas: "Batizei também a casa de Estéfanas". Em 1 Coríntios 16: 15 temo-los de novo: "Sabeis que a casa de Estéfanas é as primícias da Acaia, e que se consagraram ao serviço dos santos".

 

A casa de Onesíforo

Vocês devem lembrar que já tratamos de Jônatas, e que ele não se dispôs a compartilhar a rejeição de Davi. O nome de Onesíforo sempre será lembrado como um que estava disposto, não somente a participar do opróbrio de Cristo, mas que também se esforçou por visitar a Paulo, até que finalmente o encontrou acorrentado numa prisão romana, onde estava como prisioneiro de Nero. É desta prisão que Paulo escreve: "Bem sabes isto, que os que estão na Ásia todos se apartaram de mim" (2 Tm 1:15). Éfeso era a capital da província chamada Ásia Menor, e Paulo havia trabalhado ali durante três anos. Pois leiam a última parte de Atos 20, o relato da comovente despedida entre Paulo e os anciãos de Éfeso. Considerem com que grande pranto choraram e como, abraçando afetuosamente a Paulo, o beijavam. No entanto, Paulo agora era um prisioneiro numa cadeia romana, e... se envergonhavam dele. Era, por outro lado, muito perigoso ser conhecido como um de seus amigos. E assim todos na Ásia o deixaram, inclusive aqueles anciãos de Éfeso. Isso não quer dizer que se apartaram de Cristo; mais tarde, inclusive, o apóstolo João escreveu uma carta à Igreja em Éfeso, na qual menciona boas coisas a respeito deles. Mas aquela Igreja, aquela assembleia, tinha caído, ainda que exteriormente tudo fosse bonito, haviam abandonado o seu primeiro amor (Ap 2:4). Eu creio que o começo da queda deles foi terem abandonado a Paulo. Aliás não foram apenas os da Ásia que naquele tempo abandonaram aquele homem desprezado e rejeitado. O apóstolo acrescenta, depois: "Na minha primeira defesa ninguém foi a meu favor; antes, todos me abandonaram". Dentre os seus amados cooperadores, apenas Lucas estava com ele. Aqueles eram dias realmente escuros. Ainda outros poucos nomes são mencionados dos que não se envergonhavam daquele servo rejeitado: os seus queridos "Prisca e Áquila", que sempre lhe foram tão fiéis, continuavam os mesmos. Depois ainda havia Trófimo, que Paulo deixou doente em Mileto, e da assembleia em Roma:

 

Prudente, Lino e Claudia.

Naqueles dias escuros, é Onesíforo que sai de Éfeso e vai a Roma. "Nunca se envergonhou das minhas algemas, antes ... me procurou solicitamente até me encontrar. O Senhor lhe conceda, naquele dia, achar misericórdia da parte do Senhor! E tu sabes, melhor do que eu, quantos serviços me prestou em Éfeso" (2 Tm 1:16-18). Quão refrescante e consolador é encontrar alguém cujo amor e fidelidade resistiram, alguém disposto a compartilhar a rejeição e a perigosa situação do velho apóstolo! E compartilhando da rejeição de Paulo, estava também participando da rejeição de Cristo, a qual- estou convicto - ele considerava, como Moisés (Hb 11:26), uma riqueza muito superior a todos os tesouros que o mundo pode oferecer. Este pequeno grupo, tão unido pelos laços da devoção ao Senhor Jesus, apresenta algo tocante. Alguém tem dito que "a devoção ao Senhor Jesus é o laço mais forte que pode unir os corações dos homens". Enquanto todos os outros os deixaram, quão próximos tornaram-se: o velho prisioneiro judeu, o médico grego e o visitante de Éfeso. Quase podemos até mesmo vê-los e adentrar um pouco em seus pensamentos e sentimentos. Que o Senhor nos ajude a sermos fiéis e de confiança como foram eles, mesmo ante iminente perigo.

Mas o que nos interessa é contemplar a casa de Onesíforo, e eu me desviei bastante. O apóstolo escreve: "Conceda o Senhor misericórdia a casa de Onesíforo" (2Tm 1:16). E ainda:

"Saúda a Prisca e a Áquila, e a casa de Onesíforo" (2 Tm 4: 19). Toda a casa é atrelada à fidelidade de seu cabeça, toda a casa é especialmente encomendada à misericórdia do Senhor devido ao fiel e amante coração de Onesíforo. A exemplo de Itai, aqui também toda a casa compartilhava a rejeição com o seu cabeça. É assim que deve ser. Que o mesmo seja também realidade em nossas casas.

O Senhor ainda segue rejeitado, e a maioria tem se afastado de Paulo e de suas doutrinas. Milhares e mais milhares acolhem alegremente a salvação do Senhor Jesus, mas são apenas poucos os que hoje se dispõem a sair a Ele, para fora do arraial, levando o Seu vitupério. Esta é a prova. Senhor Jesus, . conceda que a orientação de nossos olhares seja sempre para Ti, e que os nossos corações sejam tão preenchidos com Teu amor, para que nós, como Onesíforo e sua casa, saibamos atribuir o correto valor ao Teu vitupério!

 

A casa de César

"Todos os santos vos saúdam, especialmente os da casa de César" (Fp 4:22). Seria difícil para mim deixar de comentar esta casa, ainda que sejam poucos os dados de que disponho acerca dela. É possível que esta casa tenha sido uma das mais difíceis no mundo para um cristão viver; ainda assim, havia cristãos ali também. Alguns eram de nobre procedência, outros de baixo escalão; mas o Senhor, que os chamara, os conhecia pelo nome, e breve virá o dia em que nos encontraremos com eles todos. Sabemos que alguns até mesmo deram sua vida por seu Senhor e Mestre. Talvez a sorte que coube a nós também tenha sido a de viver numa casa difícil assim; neste caso, caso o desânimo queira se apoderar de nós, lembremo-nos dos santos da "casa de César"! Consideremos que o Senhor tem poder para proteger os seus filhos até mesmo no lugar mais difícil. Ele não nos mandará provações que sejam maiores que Sua graça!

 

A casa de Narciso

Esta é outra casa da qual sabemos quase nada. "Saudai os da casa de Narciso, que estão no Senhor", é o que diz Romanos 16:11. E a palavra "casa" nem consta do texto grego, que menciona apenas "os de Narciso" . Mas o Senhor permitiu que se encontrasse um manuscrito antigo bem interessante o qual nos diz algo mais. Narciso era um Liberto (logicamente fica a dúvida se este é o nosso Narciso) que usufruía da graça do Imperador Cláudio, mas que foi executado quando veio Nero. O velho manuscrito menciona o nome "Dikaiosyne" (que significa "justiça") como sendo o da esposa de Narciso, a qual é descrita ali como sendo uma "mulher muito piedosa e simples". Nós poderíamos supor que esta tenha sido a viúva, que agora era a cabeça da "casa de Narciso", a qual pelo Evangelho aprendeu o é a que verdadeira justiça.

Imaginem vocês: esta mãe piedosa e simples em Roma, criando sua casa para o Senhor, regozijando­-se na justiça dEle. Que bonito!

"Os da casa de Aristóbulo" em Romanos 16: 1 O e os "da casa de Cloe" em 1 Coríntios 1:11 são outros dois testemunhos dessa abençoada condição dos dias antigos, quando, seguindo no caminho após o Senhor, o cabeça da família movia consigo todos os seus familiares e os que estavam em sua casa.

A senhora eleita e seus filhos

"O ancião à senhora eleita, e a seus filhos, aos quais amo na verdade, e não somente eu, mas também todos os que têm conhecido a verdade ... a graça, a misericórdia e a paz da parte de Deus Pai e de Jesus Cristo, o Filho do Pai, serão convosco em verdade e amor. Fiquei sobremodo alegre em ter encontrado dentre os teus filhos os que andam na verdade, de acordo com o mandamento que recebemos da parte do Pai. ... Os filhos da tua irmã eleita te saúdam" (2 Jo 1,3,4,13).

Temos aqui duas outras famílias com filhos que seguem ao Senhor. A uma destas famílias, à mãe com seus filhos, que juntos andavam na verdade, o Espírito Santo, por meio do apástolo João, fez chegar a séria mensagem de que eles não deveriam receber em casa e nem tampouco saudar alguém que não traz a doutrina de Cristo; "porque quem o saúda tem parte nas suas más obras". Isso também hoje é "verdade" , e deveríamos andar nesta verdade da mesma forma como os crentes nos dias do apóstolo João, visto que hoje há ainda muito mais pessoas que não trazem "a doutrina de Cristo"; tanto mais precisamos nós, até mesmo as senhoras e os filhos, tomar a peito esta séria advertência.

 

Arquipo

"Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, também nosso colaborador, e à irmã Áfia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à Igreja que está em tua casa: Graça e paz a vós outros da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo!", Filemom 1-3.

Pelo visto Filemom era um homem de boa condição financeira, pois tinha escravos ao seu dispor. Um de seus escravos, Onésimo, fugiu e foi parar em Roma. Supõe-se que antes da fuga ele ainda tenha roubado a seu senhor. Lá em Roma Onésimo encontrou o apóstolo Paulo, por cujo intermédio pôde encontrar o Senhor, do qual então se toma escravo {"escravo" do Senhor}. Paulo escreve esta amável e breve carta, onde encomenda Onésimo ao seu velho senhor, pois é de volta a ele que Paulo o está enviando. Assim é a ordem de Deus, e podemos estar certos de que Filemom iria acolher seu Onésimo "para sempre, não já como escravo; antes, muito acima de escravo, como irmão caríssimo, especialmente para mim e, com maior razão, de ti, quer na carne, quer no Senhor”.

Vamos admitir que Afia fosse a esposa de Filemom, a dona da casa; Arquipo provavelmente o seu filho já crescido. O nome dele significa "condutor de cavalos"; talvez fosse um jovem oficial da cavalaria do exército romano. A cidade deles provavelmente era Colossos (CI 4: 17), mas não pode­mos dizer com precisão. Em todo o caso os crentes da cidade onde viviam reuniam-se na casa deles.

A Arquipo, o filho, fora confiado um serviço especial. Não nos é relatado qual a natureza deste serviço, mas o apóstolo escreve: "Dizei a Arquipo: Atenta para o ministério que recebeste no Senhor, para o cumprires" (CI 4:17). Em Mateus 25:14-30 lemos de um homem que ausentou-se do país e confiou os seus bens aos seus servos: "A um deu cinco talentos, a outro dois e a outro um, a cada um segundo a sua própria capacidade". Sendo assim, eu penso que não há entre os meus leitores alguém a quem o Senhor não tenha confiado um serviço especial; a cada um de nós segundo as nossas capacidades. Tomara que não façamos como aquele servo, que recebera apenas um talento e o escondeu debaixo da terra! A palavra que o Senhor dirige a Arquipo vale a cada um de nós e também a nossos filhos, caso Lhe pertençamos: "Atenta para o ministério que recebeste no Senhor, para o cumprires". Já aprendemos que os nossos filhos apenas nos foram emprestados pelo Senhor, afim de os criarmos para Ele. E Ele concedeu a cada um de nossos filhos certas capacidades e talentos, por cujo exercício Lhe são responsáveis; mas nosso é o privilégio de ajudá­-los para que realizem este serviço, cumprindo-o plenamente. Que o Senhor nos conceda fidelidade e sabedoria, elementos tão necessários para que essa tarefa possa ser bem-feita para Ele, a Quem nossos filhos pertencem e a Quem eles servem.

 

Timóteo

Estamos chegando a uma das mais amáveis famílias no Novo Testamento. Lóide era a avó, e Eunice a mãe do jovem Timóteo. O apóstolo testifica da fé sem fingimento que habitava tanto na avó como também na mãe (2 Tm 1 :5). Em 2 Timóteo 3: 15 nós lemos: "Tu ... desde a infância sabes as sagradas letras que podem tomar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus".

Que coisa para uma criança herdar: conhecer as Sagradas Escrituras! As posses terrenas que vamos legar aos nossos filhos talvez sejam poucas; se, porém, desde pequeno lhes temos ensi­nado a Sagrada Escritura, então temos dado a eles riquezas e tesouros que são maiores que tudo o que este mundo tem a oferecer. Tanto Lóide, a avó, como Eunice, a mãe, tinham uma fé verdadeira, e é bem certo que foram elas que instruíram * o pequeno Timóteo na Sagrada Escritura, visto que o pai dele era grego.

O resultado disso? Vocês o sabem. Leiam a primeira e a segunda carta a Timóteo. Ouso dizer que não há nada na literatura do mundo que se iguale a estas duas cartas. Tímido por natureza e sensível, o que facilmente provocava lágrimas (2 Tm 1 :4), e ainda bastante moço; este é o jovem homem, diríamos quase ainda um rapaz, sobre quem o grande apóstolo se apoiava, mais do que sobre qualquer outro. E por quê? Timóteo tinha a Sagrada Escritura e uma fé sem fingimento como que um tesouro oculto em seu coração.

Esse é um exemplo que todos deveríamos tomar a peito. Que nós os avós, e vocês, os pais, façamos aos nossos queridinhos o mesmo que Lóide e Eunice fizeram a Timóteo - com toda a energia de que dispomos e com a sabedoria do alto. Ao fazê-lo podemos contar com Aquele que é capaz de realizar nos corações aquela mudança, que a Escritura chama de "novo nascimento" ,de operar esta fé sem fingimento e o conhecimento das Sagradas Escrituras. Essas coisas irão orientar e proteger os nossos queridos no caminho que eles têm pela frente.

*(é este o sentido do tempo grego)

 

Referências para o estudo bíblico - Um auxílio para escola dominical